Home Artigos

Mudanças na Classificação do Transtorno do Espectro do Autismo.


A expressão “autismo” foi utilizada pela primeira vez em 1911, pelo psiquiatra suíço Eugen Bleuler, para designar um sintoma da Esquizofrenia. Ele usou a palavra para indicar a perda de contato com a realidade, que, por consequência, dificultava a comunicação.  Foi apenas em 1943, com o médico psiquiatra Leo Kanner, que a palavra começou a ganhar o significado que conhecemos hoje.

Leo Kanner desenvolveu sua pesquisa sobre o transtorno do espectro do autismo no hospital americano da John Hopkins University. Em seu trabalho, ele nomeou o autismo como “Distúrbio Autístico do Contato Afetivo”. Até a década de 80, o autismo esteve ligado a psicose, sendo descritos nos manuais médicos como fazendo parte da esquizofrenia infantil.

Foi a partir de 1978 que o transtorno passou a ser desvinculado da esquizofrenia e quatro critérios passaram a definir o autismo, são eles: 1)atraso e desvio sociais não só como função de retardo mental; 2)problemas de comunicação, novamente, não só em função do retardo mental; 3)comportamentos incomuns, tais como movimentos estereotipados e maneirismo; e 4)inicio antes dos 30 meses de idade. (RUTTER, 1978)

O autismo, então, passa a ser descrito como um transtorno de cunho biológico multifatorial, com fortes bases genéticas. Mas não é só isso, é um transtorno complexo, que exige uma abordagem multidisciplinar para tentar estabelecer etiologias e quadros clínicos bem definidos.

Seguindo essa visão, tanto o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, O DSM IV, quanto a Classificação Internacional de Doenças, CID 10, trazem o autismo como o transtorno do desenvolvimento.

No DSM – IV o autismo está inserido na categoria de Transtorno Global do Desenvolvimento, junto com Transtorno de Rett, Transtorno Desintegrativo da Infância (síndrome de Heller, demência infantil ou psicose desintegrativa), Transtorno de Asperger, Transtorno Invasivo do Desenvolvimento Sem Outra Especificação.

Na CID 10, o autismo também é classificado como um Transtorno Global do desenvolvimento. Fazem parte dessa classificação: Autismo Infantil, Autismo Atípico, Síndrome de Rett, Outro Transtorno Desintegrativo da Infância, Transtorno com Hipercinesia Associada a Retardo Mental e a Movimentos Estereotipados, Síndrome de Asperger, Outros Transtornos Globais do Desenvolvimento, Transtornos Globais não Especificados do Desenvolvimento (TID SOE).

Hoje o autismo é conhecido como Transtorno do Espectro do Autismo, descrito assim na mais nova edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, O DSM – V (2013), da Associação de Psiquiatria Americana. Nele, o autismo passa a ser visto como um espectro, ou seja, o transtorno passa a ser visto por um conjunto de condutas e deve ser caracterizado de acordo com a gravidade, leve, moderada e severa.

Com essa mudança, alguns transtornos como Síndrome de Asperger, por exemplo, passam a não ter mais uma classificação separada do autismo, sendo assim, vistos como um Transtorno de Espectro do Autismo com níveis que variam.

As mudanças na forma de enxergar o autismo aconteceram por conta de todos os avanços nos estudos sobre o transtorno e também pela forma como a gente passou a ver a transtornos mentais. Muita coisa ainda está por conhecer, como por exemplo, a causa do autismo, porém, é inegável o quanto buscamos saber sobre o autismo em tão pouco tempo, e é o maior conhecimento sobre ele que fará com que as pessoas diagnosticadas com o transtorno tenham uma qualidade de vida cada vez melhor.

 

Referências Bibliográficas:

Associação Americana de Psiquiatria, APA. DSM IV – Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 4. ed.rev. – Porto Alegre: Artmed, 2002.

Associação Americana de Psiquiatria, APA. DSM V – Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5. ed.rev. – Porto Alegre: Artmed, 2014.

Organização Mundial da Saúde, OMS. CID 10 – Classificação De Transtornos Mentais e de Comportamento: Descrições Clínicas e Diretrizes Diagnósticas. Porto Alegre: Artmed, 1993

RUTTER, M.  Diagnosis and definitions of childhood autism. J autism Dev Disord, 1978

 
Fonte: D24am